Leve com você só o que for bom Lifestyle
05 NOVEMBRO. 2015
10 COMENTÁRIOS

Você se lembra deste post? Já faz um ano que escrevi, mas acabei de ler e fez muito sentido para mim, de novo. Essa semana, quando fui dar aquela primeira olhada matinal no celular, vi uma mensagem do meu irmão no whatsapp – que ele quase nunca usa. Era um link para essa reportagem que, se eu fosse você, leria agora mesmo.

Essena tinha mais de meio milhão de seguidores no instagram e a metade disso no youtube. Segundo ela, adquirir mais seguidores, likes, visualizações e “sucesso” nas mídias sociais vinha sendo o objetivo de sua vida, desde que começara a postar, com 15 anos de idade. Hoje, com 19, ela abandonou a sua conta no insta e no youtube e criou um site para compartilhar vídeos, textos e mensagens inspiracionais que, segundo ela, vão realmente causar alguma mudança positiva no mundo e nas pessoas que a acompanham todos os dias.

c289f36fc13d4152c8d87545f0eed0f3

É muito real, o vício que pode causar uma rede social. Sem perceber, você pode deixar de ser você mesma para representar um papel cheio de filtros, uma vida editada, programada para acontecer do jeito que você quiser. Você pode passar tempo tentando ser a perfeição que não existe, enquanto insiste em se tornar cada vez melhor. Você também pode afetar o dia de muita gente, que não fica indiferente à tanta perfeição. Insegurança, cobranças e baixa auto-estima podem atingir os que não entendem que aquela tela de celular não passa de uma vitrine de exposição.

Eu não sou contra qualquer mídia social… Pelo contrário, é lá que eu consigo mostrar um pouco do meu trabalho. Mas tenho certeza de que a gente poderia estar compartilhando e absorvendo muito mais. Muito além das fotos bonitas que você pode tirar, ou do quão linda você consegue ficar quando se arruma para sair. A “beleza física”, como diz Essena, não é nada além da loteria genética, então por quê alguém deve ser valorizado por algo que nem sequer é responsável?

63bf780d8cfb0429fc90f1b41eaa4374

Essa cultura cheia de padrões gera um sentimento de invalidação a tanta gente, e é triste pensar nisso. Tanto tempo que a gente perde esperando aprovação. Um número na tela do celular não deveria significar nada. Você não é mais importante porque milhares de pessoas acompanham o que você quer mostrar da própria vida.

São incontáveis os momentos que eu poderia ter aproveitado mais, e “troquei” pela foto perfeita, já imaginando o “sucesso” que ela faria quando fosse divulgada. O curioso é que, nos períodos da minha vida em que estive insegura, eu certamente chegaria a trocar um banho de mar pela foto na praia com o cabelo seco – porque não fica tão bonito se molhar. É tão chato, vazio  e estranho se preocupar com uma imagem antes de aproveitar. Não é a toa que, quando a festa é boa, a gente até esquece de olhar pro celular.

ba3f70439533ab1dfbafd147e81efe66

O meu ponto é que, pra tudo na vida, a gente pode escolher absorver só o que nos faz bem. Já que as mídias sociais fazem parte da sua, escolha seguir só o que te inspira, motiva, o que te traz alegria. “Leve com você só o que for bom…”.

Mil beijos,

Luisa.